19 de fevereiro de 2008

Comfortably Numb





Teoricamente, os dias estavam indo bem. Olhos brilhantes e gargalhadas sinceras. A velha expectativa do novo que sempre me invade. Não fiz planos. Tampouco acreditei em dias melhores. E lá estavam eles, contados em 45 dedos. De tudo, fica um vazio que me sucumbe e do qual não tenho forças para lutar. E agora, mais do que nunca, se ninguém me amparar, eu caio. Esses dias de uma rapidez absurda causam em mim um verdadeiro assombro. E se choro como uma criança indefesa, é porque talvez seja esta que prevalece em mim sempre. A distância geográfica das pessoas que amo ainda me levará à loucura. E eu não temo por isso. Prefiro ficar acorrentada a esse sentimento. Sendo ela revés de um parto ou não. Apenas o pior tormento. E é pior do que o esquecimento. Pior do que se entrevar. Chico Buarque disse isso fabulosamente. Hoje só tenho lágrimas de saudade para oferecer aqui. Essas que ninguém quer...

É uma casa tão grande a ausênsia
que passarás nela através dos muros e pendurarão os quadros no ao.
Pablo Neruda






Foto Mirian on.

7 comentários:

Sam disse...

Gostaria de poder te dizer algo que suscitasse em ti algo que te fizesse sentir-se melhor; ou simplesmente estar ao seu lado, mesmo sem dizer nada.

Bjos!

Fique bem!

Namoradå disse...

Só posso dizer:
'estamos juntos na distancia'
estarei com vc sempre, qndo precisar chorar essas lagrimas de saudade...
estou aki, tá?

montedenada disse...

SORRIA!!!

Vanessa disse...

sem palavras...

Hilário Ferreira disse...

"Ele faria da queda um passo de dança,
do medo uma escada,
do sono uma ponte,
da procura um encontro."

Fernando Sabino

Sam disse...

[Karlinne... dediquei-te um selo, não sei se te incomoda essas coisinhas, mas de qualquer forma lembrei de ti quando me ofereceram.
Quando puder passa lá no meu cantinho.
Bjos!!!]

Tinta no Bolso disse...

saudade assim vale a pena. acredita.