27 de abril de 2008



Já passa de meia noite e meus olhos ardem um sono que demora a chegar. Escuto Jeff Buckley procurando preencher vazios que cada vez mais me completam. Estou perdida dentro de mim e não vejo uma pontinha de luz sequer que me arranque um sorriso espontâneo. Minhas mãos, não sustentam e não suportam mais meus (tantos) sentimentos sem nomes e sem donos. Não sabe como desejei hoje ter suas mãos por perto para segurar as minhas; sua paciência para escutar minhas lágrimas abafadas no travesseiro a espera de sonhos reais e atingíveis; sua voz a embalar o coração. O que eu sinto, a dimensão da palavra não abarca. E eu fico a espera de tradução. De alguém que caia do céu e me faça acreditar que as pessoas não são tão egoístas assim. Não queria que me visse como estou agora, completamente inerte do mundo, sem vida. E sem fé. A cada dia que passa eu queria ser tudo, menos ser. Por que eu não nasci uma borboletinha amarela com bolinhas pretas? Quero lhe dizer que hoje eu desisti das pessoas (as histórias correm com uma rapidez impressionante e eu gostaria que soubesse por mim). E de minha boba e ingênua necessidade de me doar aos outros (mas, por favor, não me deixa fazer isso). Então talvez hoje você entenda por que eu chorava tanto todas as vezes que assistia Moulin Rouge. Porque, finalmente, eu fui salva de minha ridícula obsessão pelo amor. Espero o sol nasça mais cedo agora.


(Saudade - pior tormento)




8 comentários:

Lila disse...

Eu queria comentar, antes de qualquer coisa, um episódio meio bobo que me aconteceu agora. Por muitos instantes, achei que a foto - e somente a foto - era o post de hoje. Eu não entendia a parte preta embaixo (talvez pelo horário ou pela própria preguiça típica de domingo mesmo). Pensei: "ah, deve ser algum (d)efeito da blospot, we'll never know". Fiquei encarando a imagem, então, só mesmo para ter embasamento teórico e/ou prático na hora de comentar algo. Nem sei por quanto tempo fiquei pasmada na frente do PC. Me perdi completamente ao conseguir te visualizar ali, no chão, desamparada como essa criança. Doeu pensar que você se sente assim: indefesa, sozinha.. Quando, finalmente, passou na minha cabeça "arrastar o mouse", só confirmei o que os teus olhos de um tempo pra cá vêm refletindo. Lendo, eu quis ter poder o suficiente pra diminuir a tua angústia, aliviar um pouco o peso de carregar todo o sentimento do mundo (como tantas vezes repeti). Pareceu audacioso, mas, por um dos outros muitos lados, bastante plausível. Só faltava o "algo" que você afirmou não possuir. Foi quando eu percebi que, mais do que tudo, você precisa de alguém por perto. Não um alguém qualquer. Um alguém que alimente a sua FÉ - fé na amizade, fé num sorriso, fé na beleza de uma melodia, no amor, na justiça.. Fé em Deus, porque Deus está em tudo isso. Clichê demais para o horário, eu sei - vez ou outra o óbvio me arrebata e se extravasa verbalmente. Você pode até não crer nessa força maior “personificada”, mas Ele também é “partes” (como as que eu citei e, com certeza, é bem maior que a soma delas). Sabe por que eu afirmo isso tão convictamente? Você está aqui hoje, ocupando um espaço incomensurável na minha vida, iluminando cada vez mais o meu dia-a-dia com o teu “listen to me” e afins.. O que eu quero dizer é que prova maior que essa da existência Dele não há. VOCÊ é a prova! VOCÊ me faz acreditar. E eu espero que um dia eu consiga te fazer tão bem quanto Ele, através da tua amizade, me faz. Eu não minto ao dizer que pretendo retribuir toda a felicidade que você me proporciona. Eu te amo muito, muito mesmo, mais do que é possível tornar inteligível. Eu precisava me assegurar de que você saberia disso - que pode contar comigo até na hora da descrença, aliás, principalmente aí. Eu te ajudo a construir um universo de maravilhas de novo (e fico por perto pra garantir que ele não se destrua).

Vanessa disse...

não desistas nunca das pessoas, linne... *

ivone disse...

m
ã


e








a minha!

La Isla disse...

Senti um peso por dentro e ao mesmo tempo vontade de te dar leveza... Se você precisar das minhas mãos, da minha paciência e da minha voz... Não tenho o amor e o aconchego da sua mãe, mas tenho os da AMIZADE... Não tenha receio em pedir, em dizer um "Listen to me" pq I'll listen to you even if I don't know exactly what to say...

La Isla disse...

Senti um peso por dentro e ao mesmo tempo vontade de te dar leveza... Se você precisar das minhas mãos, da minha paciência e da minha voz... Não tenho o amor e o aconchego da sua mãe, mas tenho os da AMIZADE... Não tenha receio em pedir, em dizer um "Listen to me" pq I'll listen to you even if I don't know exactly what to say...

Lici in the sky with diamonds disse...

Apesar de andar sempre a beira de desistir dos seres humanos, eu nunca faço isso. E não acredito que isso tenha sido uma resolução definitiva, vindo de vc. Hoje eu descobri que eu sou da espécie dos golfinhos. E deve ser por isso que eu me dou tão mal com seres humanos. :) É bom saber de pelo menos alguma coisa.
Te amo msm.

Sam disse...

Tem coisas que só aprendemos com o tempo, e há outras que vamos morrer sem saber.
Poderia citar uma porção de defeitos atribuídas ao homem por natureza, porém, mesmo com tudo, há algumas pessoas, ainda que poucas, que me fazem ver o outro lado.

Fique bem!!!

Bjosss!!!

Mil disse...

eu percebi pela vírgula.
você me emociona.
sua tristeza me toca fundamente.